DISFORIA DO GÉNERO espaço não oficial

15
Fev 09

Esta semana tem-se revelado particularmente difícil para mim.

Como já referênciei, ao longo dos anos e particularmente nos últimos meses, tenho escolhido a dedo as pessoas a quem divulguei a minha problemática particular (e foram várias).

Enquanto foi assim a coisa correu bem, nenhuma delas me desiludiu. Apartir do momento em que revelei o processo aos meus colegas de trabalho, foi como uma bomba, uma granada que se fragmenta para todos os lados. De repente, meio mundo ficou a saber, da pior maneira. Os meus colegas têm transformado esta questão num circo, numa palhaçada com que se divertem.

Não consigo ter raiva deles, só pena.

O que digo não é da boca para fora, tão pouco uma forma de falar, é literal - sinto pena deles -, por serem tão "pequenos", tão fracos, tão ignorantes.

Os mesmos que me ridicularizam, numa situação análoga, será que conseguiriam suportar? Dificilmente. Não demonstram estrutura moral para isso. Eles não fazem a mais ténue ideia do que significa viver uma experiência destas. São demasiado fanfarrões, egos inchados que me fazem lembrar aquela máxima: "os tambores fazem grande estrondo mas não são cheios senão de ar".

Têm tornado a minha vivência mais dolorosa do que já é por si só. No gozo tratam-me pelo nome masculino, sem gozo mas propositadamente, tratam-me no feminino. Existe um que faz nitidamente de propósito. Eu com barba e ele a tratar-me no feminino, bem alto, bem intencional. É curtido (deve pensar).

Eles acham-se os maiores, heróis, e são cruéis. Duma crueldade refinada mas cruel.

Só tenho pena ter que suportar tanto sofrimento desnecessário.

 

publicado por UNO às 08:35

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


posts recentes

Dia a dia

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
Portal da ordem dos médicos
ARTIGO 55.º (Transsexualidade e manipulação genética) 1. É proibida a cirurgia para reatribuição do sexo em pessoas morfologicamente normais, salvo nos casos clínicos adequadamente diagnosticados como transexualismo ou disforia do género. (Redacção introduzida pelo Plenário dos Conselhos Regionais de 95.06.03) 2. É proibida a manipulação genética no Ser Humano.
.
blogs SAPO