DISFORIA DO GÉNERO espaço não oficial

30
Jan 09

Hoje tive que ir fazer análises e entrei um pouco mais tarde. A moça de quem falei ontem conheci-a por intermédio de colegas de trabalho, numa das alturas em que vamos beber o café. É muito simpática.

Como cheguei mais tarde, ela já estava para sair. Levantou-se da mesa do grupo, veio-o ter comigo e disse: "Olá lindo, és... não és? - referindo-se ao meu nome.

Aquela atitude fez-me sentir super bem, o meu emocional ficou super enquadrado.

Obrigado Ana.

publicado por UNO às 23:00
sinto-me: Bem

29
Jan 09

Hoje tive oportunidade de confidenciar a mais uma moça conhecida a minha transexualidade.

Ela foi impecável, super natural. Disse-me que tinha um irmão gay e que para si era muito normal.

Dispôs-se a conversar quando quisesse, convidou-me para sair, enfim, muito bom.

publicado por UNO às 22:30

28
Jan 09

A gestão de todo este processo pessoal tem sido muito cuidada.

As pessoas a quem já confidenciei a alteração da identidade civil, têm sido escolhidas a dedo. Têm sido pessoas que, de alguma sorte, me têm inspirado confiança. Até agora, posso dizer-me muito satisfeito com as seleções efectuadas.

Comecei pelos amigos, aqueles que "sabia" que me iriam aceitar e até apoiar; depois passei a pessoas que trabalham na mesma Instituição que eu, mas em departamentos diferentes; agora estou na fase de informar a Direcção e, por fim, virão os colegas de trabalho directo. Esses são os mais complexos. Mas, tem que ser.

publicado por UNO às 22:07

O que é que estão a pensar?

A primeira vez que dei o nome masculino a um utente.

Foi ontem. Sinto-me todo orgulhoso.

Mais uma conquista.

publicado por UNO às 22:02

Brincadeirinha... =O)

publicado por UNO às 21:55

Quentinho, quentinho.

Foi na segunda feira, dia 26. Estava aflitinho.

Passo horas a impedir a livre circulação urinária até encontrar uma via que me inspire confiança.

Mais uma vez, na autoestrada. ;O)

Desta vez, nem que quisesse, seria muito imprudente ir à das senhoras, pelo menos, com uma barba de 5 dias por desfazer. Ainda ganhava um galo (ou buraco) na cabeça, produzido por algum salto alto disparado sabe Deus de onde.

Apesar de ainda ser estranho, lá fui eu, ao wc masculino.

A barba, quer se queira quer não, dá-nos uma certa autoridade para frequentar tais espaços.

Nossa senhora, a quantidade de convites p´ro amaço que por lá se encontram, parecem as páginas amarelas impressas nas paredes...

Nem vou descrever, quem estiver interessado verifique com os próprios olhos. É um desafio, não é? Malandro...

Mais estranho ainda é passar pelos urinóis e apercebermo-nos de certos olhares.

Para dizer a verdade, eu ajo "muito naturalmente" =O), nem lhes ligo mas, desta vez, deu p'ra notar a forma como o fulano me olhou. Parecia que me queria comer... mesmo...

Eu desandei. Conforme entrei resoluto, mais resoluto ainda saí.

Tive uma sensação estranha, muito estranha.

Tenho uma grande sensibilidade psíquica às vibrações dos ambientes que me envolvem e, desta vez, senti-me muito esquisito. Tinha a sensação que a qualquer momento era agarrado ou abordado por algum "macho" com intenções inconfessáveis e incompatíveis com a sua inquestionável honra de "muito homem".

Ai se aquelas paredes falassem...

 

publicado por UNO às 21:26

Não me lembro quando mas foi, mais uma vez, num parqueamento de autoestrada.

Aquelas casas de banho da rua dão cá um jeitão...

Fiz como aprendi, cheio de autoconfiança e certeza: "Este espaço pertence-me". - "Ou será que sou eu que pertenço a este espaço???"

Ainda houve uns fulanos que olharam duas vezes mas eu... nem aí. Fz de conta... =O)

Tudo bem, ainda não foi desta que sofri nenhum desgosto...

publicado por UNO às 21:18

Xi. Não sei como foi ou é com os outros mas a mim, deu-me cá uns calores.

Foi em Abril do ano passado que me atrevi, pela primeira vez, a uma investida ao wc da "concorrência" =O).

Ia de viagem para o estrangeiro e os meus pais levaram-me até ao aeroporto do Porto. Parámos num daqueles parqueamentos que existem nas autoestradas. Disse-lhes que não podia mais, tinha que fazer um xixizinho esperto. O meu pai, todo invejoso, disse que aproveitava a boleia.

Íamos a caminho do "restaurante" quando chegou uma excursão de gente. Um amontoado de homens e mulheres a correr p'rós banheiros.

Aquilo intimidou-me.

Disse ao meu pai que ia às casas de banho das bombas enquanto ele seguiu em frente.

Enchi-me de coragem - nem olhei p'ro lado - e lá fui eu, direitinho à privada. Bolas, não tinha fechadura. Não importa...

Estava a meio das minhas satisfações fisiológicas, quando oiço um tique beeem familiar. - O que é que ele está aqui a fazer??? Chôôô.

O paizinho também se deve ter assustado com a multidão...

Bom, lá estive eu à espera que sua excelência terminasse as suas necessidades urinárias -, quem estivesse atento iria pensar que eu estava com prisão de ventre, pelo tempo... - mais um pouquinho para que se pusesse a andar até uma distância bem segura e lá vou eu, disposto e airoso, de bexiga limpa e todo orgulhoso da mais recente conquista.

 

publicado por UNO às 20:43

Minha querida Siona, simplesmente - ADOREI.

Dei umas boas gargalhadas "à tua custa". ;O)

O teu sentido de humor é óptimo.

Beijinho

publicado por UNO às 20:37

24
Jan 09

  

  

  

  

  

 

publicado por UNO às 22:31

TARDES DA JÚLIA A TRANS É UMA DOENÇA?
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

19
20
21
22
23

25
26
27
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
Portal da ordem dos médicos
ARTIGO 55.º (Transsexualidade e manipulação genética) 1. É proibida a cirurgia para reatribuição do sexo em pessoas morfologicamente normais, salvo nos casos clínicos adequadamente diagnosticados como transexualismo ou disforia do género. (Redacção introduzida pelo Plenário dos Conselhos Regionais de 95.06.03) 2. É proibida a manipulação genética no Ser Humano.
Online
online
.
Visitantes
Mississippi Jones Act
Mississippi Jones Act Counter
blogs SAPO