DISFORIA DO GÉNERO espaço não oficial

26
Out 08

Com alguma frequência somos tentados a pedir aos nossos interlocutores, com quem nos sentimos à vontade e sabem da nossa temática particular, que se coloquem no nosso lugar, que se imaginem, com toda a vivacidade do seu espírito, num corpo oposto a essa plena identificação.

Sabemos que isso não acontece, pelo menos, de forma tão forte que possa fazer a diferença. uma coisa é imaginar - que não se imagina nada, em realidade - outra é viver, efectivamente, a experiência.

Hoje vi na Net um artigo que me chamou a atenção. Uma entrevista com uma recém atriz, que representa o papel de um transsexual masculino, portanto, um FTM, como nós.

O que me realçou o interesse foi exactamente este desabafo: "A transformação em homem foi assustadora"

Isto é o que sente um Ser trangénero, só que, os verdadeiros não têm que se transformar, já vêm kitados.

  

Aqui fica uma parte, a que nos interessa, do texto: 

 

PRÓTESE PENIANA Como nem tinha sido atriz no Brasil nem falava francês, nunca considerou a hipótese de atuar em Paris. “Foi o cinema que veio até mim”, diz ela. E num papel longe do fácil. Tiresia é um transexual brasileiro. Seqüestrado por um admirador, sem poder tomar seus hormônios, vai se transformando novamente em homem aos poucos. A fase masculina é vivida pelo paulistano Thiago Teles. Clara Choveaux teve de aparecer nua, usar barba e até uma prótese peniana. “Foi tudo difícil. Ou entrava de cabeça, ou entrava de cabeça”, diz. “Como não tinha experiência nem técnica, comecei a me transformar no personagem até fora do set”, conta ela. “Tive sonhos eróticos com minhas amigas”, diz Clara, que garante não ter experimentado colocar o sonho em prática. “Por falta de tempo e oportunidade!”, explica, às gargalhadas.

 

A transformação em homem foi assustadora. “O meu primeiro contato com a barba foi um horror. Vi meu irmão no espelho. Não conseguia me suportar”, diverte-se. Considera que isso foi ainda pior do que usar a prótese peniana. “No fundo, me ajudou, foi como uma máscara. Se eu ficasse nua sem a prótese, seria mais difícil”, diz. “E você sente a potência, menina!”, gargalha. Para a equipe, no entanto, foi péssimo. Todos ficavam constrangidos em pegar suas medidas. A primeira cena foi chocante. “Tirei o roupão e virei de frente. Houve um silêncio absurdo. Todo mundo ficou hipnotizado pela criatura”, ri. Como recordação, uma das próteses foi parar em sua casa e ganhou o apelido de Adolfo. “É o meu troféu”, afirma. Ela chama as amigas para ver o artefato, e sua companheira de apartamento quase morreu de vergonha quando o limpador de lareira o descobriu escondido no lugar.

 http://www.terra.com.br/istoegente/222/reportagens/clara_ghoveaux.htm


12
Out 08

Todos os pais que apoiam e dão a cara pelos seus rebentos em situações tão duras para os mesmos como a homossexualidade e transsexualidade, merecem toda a divulgação e apreço. Obrigado a todos os pais nestas condições, com esta postura.

 

 

publicado por UNO às 19:11

 

publicado por UNO às 19:03

 

publicado por UNO às 19:00

Obviamente que o objectivo de fazer referência aos vários moldes de genitália masculina - originalmente masculina - não visa a "humilhação", a diminuição, dos seus usufruários e sim, o desejo de fazer compreender a necessidade de abertura mental  relativamente à questão do aspecto e funcionalidade da mesma.

É  importante salientar que, se a genitália pós operatório, por metoidoplastia, implica um micro pénis, também muitos corpos masculinos de raíz assim os desenvolvem.

Se os T não conseguem um orgão capaz de penetração, também as pessoas com as características referenciadas o não conseguem. Não são menos homens, não deixam de ter prazer e de o proporcionar às suas companheiras ou companheiros.

Quando se AMA, essa é a última das preocupações, e, em muitos casos, nem sequer chega a sê-lo.

Hoje em dia, a imaginação, audácia e despreconceito, permite uma vivência mais plena da sexualidade que, é preciso ter em conta, é muito mais do que trocas genitais.

GENITÁLIA ORIGINALMENTE MASCULINA

GENITÁLIA TRANS POR METOIDOPLASTIA

 

 

 

  

NOTA: Não se tem a pretensão de substimar inteligências igualando radicalmente as duas situações, mas penso que não será absolutamente necessário referi-lo.

 

publicado por UNO às 17:49

04
Out 08

 

publicado por UNO às 13:48
tags:

TARDES DA JÚLIA A TRANS É UMA DOENÇA?
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
Portal da ordem dos médicos
ARTIGO 55.º (Transsexualidade e manipulação genética) 1. É proibida a cirurgia para reatribuição do sexo em pessoas morfologicamente normais, salvo nos casos clínicos adequadamente diagnosticados como transexualismo ou disforia do género. (Redacção introduzida pelo Plenário dos Conselhos Regionais de 95.06.03) 2. É proibida a manipulação genética no Ser Humano.
Online
online
.
Visitantes
Mississippi Jones Act
Mississippi Jones Act Counter
blogs SAPO