DISFORIA DO GÉNERO espaço não oficial

13
Jul 08

Masculino ou Feminino?

À primeira vista este texto pode parecer sem propósito ou até mesmo escatológico para quem não é transexual, mas a problemática de qual banheiro utilizar em público, é na verdade, uma parte importante para manter nossa integridade física. Várias pessoas já foram impedidas e até mesmo agredidas por terem sido descobertas usando um banheiro não compatível, à época, ao seu sexo físico. Existem algumas discussões nos Estados Unidos sobre se deveriam ou não ter banheiros separados para transexuais, afim de evitar situações de dano tanto físico quanto moral, mas enquanto isso não ocorre, como proceder para evitar problemas?

Na verdade tudo depende da sua aparência e, principalmente, da sua postura. Antes de começar seu tratamento hormonal, se você chega num banheiro feminino e é olhado como se não pertencesse ali, ou até mesmo colocado para fora por estar no lugar errado, é um bom sinal de que vale a pena tentar entrar no masculino. Se não ocorrer isso, o risco de ser rechaçado no masculino, e até mesmo, assediado é grande. Conseguindo quebrar a barreira dos olhares, sua postura também conta. Não entre como se estivesse com medo ou furtivamente, entre firme mas sem aqueles estereótipos masculinos básicos de coçar algumas partes e cuspir no chão. Isso ficaria forçado e denotaria contra você.

Quando já se começou o hormônio, é claro a aparência não mais permite nem sequer pensar no feminino, fica mais fácil ir direto ao masculino sem expectativas de ser barrado, mas ainda assim de nada adianta a aparência se a postura é a mesma de alguém que ainda não toma hormônio e teme ser confundido. Basta ser você mesmo, seguro e confiante, sem máscaras ou comportamentos falsos.

Passado da porta, fica a dúvida de como conseguir se aliviar. Óbvio que você tem que ir ao reservado. Ali ninguém vai incomodar, e quem está fora também não está prestando atenção no que o outro está fazendo. Ao contrário das mulheres, geralmente homens entram no banheiro para resolver suas necessidades físicas somente, e não trocar idéias, dicas ou fofocas. Existem homens, biologicamente falando, que vão ao reservado inclusive para urinar, e que às vezes preferem sentar para fazê-lo. Não é a maioria, mas sentar para resolver algumas necessidades fisiológicas básicas, não faz de ninguém nem mais nem menos homem.

Claro que alguns banheiros não tem reservado com porta, ou o asseio não é suficiente, e o melhor mesmo é urinar de pé. Existem alguns truques e dispositivos disponíveis no mercado para facilitar essa tarefa.

Uma boa maneira é enrolar um coador de café, tipo melita e plastificar com contact para impermeabilizar. Você guarda no seu bolso, e na hora de utilizar encaixa a parte maior na saída da uretra e pronto. Outra maneira, é cortar um frasco de plástico de desodorante, bem lavado por favor para não causar alergias ou assaduras, e novamente posicionar a parte maior na saída da uretra e bingo, problema resolvido. O ideal é que você possa lavar esses dispositivos após o uso, não só pelo mau cheiro, mas pelas bactérias que possam se acumular ali de uma vez para outra.

Agora se você é realmente corajoso, e quer satisfazer seu aperto no mictório ao lado de todo mundo, existem dispositivos quem já vem embutidos no seu "packer" diário. O mais comum "packer" utilizado é o Soft Pack Feito de cyberskin, ele é uma prótese de um pênis flácido, bastante realística, com textura macia e que absorve o calor da pele e cria aquele volume normal que qualquer homem xy possuí. Dentro dessa prótese se insere um tubo de silicone, e na ponta deste, conecta-se algo semelhante a uma colher de comida bebê daquelas macias e maleáveis. Posicionado dentro da cueca normalmente, com o tubo encaixado na saída da uretra, fica fácil na hora do aperto, apenas abrir o zíper e resolver a questão. Infelizmente nem o Soft Pack sozinho nem com o dispositivo se encontram a venda aqui, e nem há previsão que isso ocorra, só pedindo no exterior. Tentar fazer em casa sozinho, adquirindo só o comum, não vale a pena já que acaba-se estragando alguns para se fazer o dispositivo corretamente, o que acaba saindo mais caro.

Caso você realmente queira se aventurar a construir o seu, existem no mercado brasileiro próteses flexíveis em cyberskin, que não são ideais mas podem ser usadas p/ packing. Caso você não se sinta confortável com a colher de bebê, pode tentar usar o mesmo tubo de silicone com uma máscara de nebulização, utilizando o mesmo processo descrito anteriormente.

Vale a pena lembrar, que se você vai ao mictório, não fique medindo ou olhando o seu companheiro do lado. Sei que essa prática é comum, dar um olhada só para ter certeza que "o meu é maior que o seu", mas lembre-se sua posição é delicada e você não está querendo ser descoberto porque olhou para os genitais alheios.

Uma coisa é certa, para todos esses meios é necessário praticar antes em casa. Não ache que sabe e consegue de primeira em público, você pode acabar tendo a desagradável surpresa de se urinar pernas abaixo. E não se esqueça que a saída da uretra feminina, não é no clitóris, mas perto da vagina, sendo assim o posicionamento correto, é essencial para não passar constrangimento.

No final de tudo, procure saber sobre o banheiro que você vai utilizar antes de ir, faça um reconhecimento, veja a freqüência, prepare-se, estude e vá em frente como se isso fizesse parte do seu dia a dia desde o nascimento. Daqui há algum tempo realmente será banal e corriqueiro. E se de todo, um dia, a necessidade for imperativa, arrisque-se, confie e entre no primeiro que puder, sempre tendo em mente que só aparência sem uma atitude confiante e positiva de quem já está acostumado conta mais que barba, bigode e cavanhaque. Adapte-se as suas necessidades, crie novas alternativas e boa sorte.

Nota: Agradeço as dicas utilizadas e criadas pelos membros do grupo Ftm Brasil, e outras de criação de DeeJay. Coluna FTM editada e produzida por Gabriel Rocha 21/07/03

Redação FERVO.com.br editor@fervo.com.br

Envie um e-mail com sua opinião sobre este texto

 

(RETIRADO DA NET)

publicado por UNO às 20:47

TARDES DA JÚLIA A TRANS É UMA DOENÇA?
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
Portal da ordem dos médicos
ARTIGO 55.º (Transsexualidade e manipulação genética) 1. É proibida a cirurgia para reatribuição do sexo em pessoas morfologicamente normais, salvo nos casos clínicos adequadamente diagnosticados como transexualismo ou disforia do género. (Redacção introduzida pelo Plenário dos Conselhos Regionais de 95.06.03) 2. É proibida a manipulação genética no Ser Humano.
Online
online
.
Visitantes
Mississippi Jones Act
Mississippi Jones Act Counter
blogs SAPO